segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Cultivo da Anredera (espinafre-gaúcho, bertalha-coração)



Anredera (Anredera cordifolia)
NOMES POPULARES: ora-pro-nóbis sem espinho, espinafre-gaúcho, bertalha-coração

Os tubérculos aéreos são comestíveis e também é o material de propagação da planta. Adapta-se muito bem ao sistema de agrofloresta, porque se desenvolve melhor em lugares sombreados e úmidos. Como é uma trepadeira, pode-se plantar ao lado de árvores que servirão como tutor para a planta.

Hortaliça folhosa, perene e trepadeira, a anredera pertence à família Basellaceae. Ela é originária da América do Sul subtropical e ocorre em sub-bosque na Mata Atlântica. 
A planta possui folhas arredondadas e suculentas, em forma de coração, e inflorescências em cachos, com flores pequenas e brancas. Produz pequenos tubérculos aéreos (estruturas de reserva) em cada axila das folhas e, em maior concentração e tamanho, na base das plantas.


Plantio
Desenvolve-se melhor em temperaturas amenas, entre 15 °C e 25°C, nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Apresenta desenvolvimento inicial lento. Deve ser cultivada em solos ricos em matéria orgânica e de fertilidade mediana a alta. Os tubérculos aéreos (propágulos) são plantados diretamente no local definitivo, em covas orientadas em linhas para tutoramento em espaldeira, no espaçamento de 2 m a 3 m entre linhas por 1 m
a 2 m entre plantas.
O revolvimento do solo deve ser restrito às covas de plantio, deixando o solo protegido por uma cobertura de vegetação espontânea ou com palhada de cultivos anteriores, geralmente gramíneas e leguminosas. Recomenda-se adubação orgânica com 0,5 kg/m-² a 1,0 kg/m-² de composto orgânico.

É preciso irrigar de duas a três vezes por semana, fazer adubações de cobertura periódicas com 0,5 kg/m-² a 1,0 kg/m-² de composto orgânico 2 a 4 vezes ao ano e, sempre que necessário, capinar junto às plantas e roçar nas entrelinhas.
Desenvolve-se muito bem quando plantada em sistemas agroflorestais por ser uma planta perene. A colheita das folhas é feita, geralmente, a partir de 4 ou 5 meses após o plantio, assim que as plantas atingem entre 1,5 m e 2,0 m de haste.


Conservação e usos

A produtividade média mensal pode variar entre 100 e 200 gramas por planta. As folhas macias e suculentas são ricas em minerais, especialmente ferro, cálcio e zinco. 
Elas também apresentam boa fonte de proteína e fibras, 22 % e 27 % em base seca, respectivamente. As folhas podem ser consumidas cruas em saladas, refogadas ou cozidas em combinação com outras hortaliças e carnes, e como ingrediente para bolos e pães. Os tubérculos aéreos, inclusive aqueles formados no colo da planta, podem também ser consumidos cozidos ou fritos. A vida útil, assim como a maioria das folhosas, é curta, devendo ser
consumida logo após a colheita, ou colocadas em embalagens plásticas e armazenadas sob refrigeração, mas por períodos curtos de tempo, de 3 a 5 dias.

Receitas

Omelete de anredera


Ingredientes

2 ovos
5 folhas de anredera
Queijo ralado, cebola, óleo e sal a gosto

Modo de preparo

1. Após lavar, corte as folhas de anredera em tiras finas.
2. Bata os ovos levemente e adicione as folhas cortadas, o queijo ralado e o sal. Misture tudo.
3. Aqueça um pouco de óleo em uma frigideira e despeje a mistura. Deixe fritar e dourar dos dois lados. Enrole para uma melhor apresentação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário