sábado, 28 de outubro de 2017

Produção de Sementes de Cebola



Cerca de 75% do consumo de sementes de cebola no Brasil são de cultivares de polinização livre. Tanto para as cultivares de polinização livre como para as híbridas, podem ser utilizados dois diferentes métodos na produção de sementes:

Semente-bulbo-semente: consiste em uma primeira fase de produção de bulbos, e uma segunda fase de produção de sementes. A primeira fase (vegetativa) não difere da produção comercial de bulbos, embora alguns cuidados especiais devam ser tomados (os quais serão discutidos posteriormente). Os bulbos-mãe, após colheita e cura, são selecionados de acordo com o padrão da cultivar (observando o tamanho, forma e cor), eliminando aqueles mal formados, com defeitos graves, brotados, “charutos”, e com sintomas de doenças. Geralmente são armazenados sobre estrados, em galpões secos, ventilados, à temperatura ambiente. Durante o armazenamento, inspeções periódicas são recomendadas, eliminando-se os bulbos doentes e brotados. A vernalização (indução ao florescimento) dos bulbos pode ser natural (regiões frias, como nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul) ou artificial (regiões mais quentes, como nos estados das regiões Sudeste, Centro Oeste e Nordeste), utilizando câmaras frigoríficas. O binômio tempo-temperatura para vernalização irá depender da cultivar. Geralmente, o armazenamento dos bulbos a temperaturas mais baixas (próximas de 2ºC) durante 60-90 dias antes do plantio, e após, elevando-se a 8ºC durante 20-40 dias antes do plantio,  permite respectivamente, adequada conservação e adequado florescimento dos bulbos. Os bulbos são plantados no campo para a segunda fase, de produção de sementes (fase reprodutiva).



Semente-semente: é utilizado em regiões onde ocorrem temperaturas baixas suficientes para ocorrer a vernalização natural das plantas. As sementes (sistema de semeadura direta) ou as mudas (sistema de transplante) são dispostas na própria área onde se fará a colheita das sementes, em um único campo de produção. Tem como vantagens a maior facilidade, o menor custo e a maior rapidez (menos de um ano) na produção de sementes.
O método semente-bulbo-semente é padrão para produção de sementes genéticas e/ou básicas, pois permite seleção de bulbos. É também o método utilizado no Brasil para a produção de sementes fiscalizadas e certificadas. O método semente-semente é utilizado apenas para a produção de sementes fiscalizadas ou certificadas, pois não permite a seleção dos bulbos.
Para a produção de sementes híbridas, utiliza-se da macho-esterilidade genética citoplasmática. É utilizada uma linha masculina (parental polinizador) para quatro linhas femininas (parental macho-estéril). A coincidência na floração das duas linhas parentais é de extrema importância para se alcançar adequada produção de sementes. Deve-se tomar cuidado, durante o roguing, de eliminar eventuais plantas férteis no parental feminino.
Na produção de sementes, alguns aspectos devem ser observados:

Origem da semente
Utilizar sementes básicas ou certificadas provenientes de empresas idôneas, com qualidades genética, física, fisiológica e sanitária comprovadas. Neste último aspecto, vale a pena ressaltar que importantes doenças causadas por bactérias e fungos podem ser transmitidas pelas sementes (ver seção correspondente). O tratamento de sementes antes do plantio é recomendado.

Escolha da área
Escolher regiões com temperaturas amenas e de baixa umidade relativa do ar. A área destinada a produção de sementes não deve ser a mesma que foi cultivada com cebola ou outra aliácea em anos anteriores. A produção de sementes de espécies que requerem a polinização por insetos, como é o caso da cebola, exige atenção especial com relação a presença destes, principalmente abelhas, que são os principais polinizadores dessa espécie. Neste sentido, cuidados com as pulverizações e utilização de defensivos inócuos às abelhas devem ser observados durante a fase do florescimento. A distância mínima para isolamento de cultivares de cebola é de 1.000 m, embora sejam recomendadas distâncias superiores em razão do raio de vôo das abelhas, que pode chegar a 3.000 m.

Espaçamento de plantio
Espaçamentos menores diminuem a aeração das plantas, além de dificultar as inspeções de campo. Espaçamentos maiores podem permitir aumento no número de hastes florais por bulbo, aumentando a produção de sementes por planta. Deve-se considerar ainda a parte econômica, relacionada principalmente com o maior ou menor gasto com bulbos. No método semente-bulbo-semente, o espaçamento pode ser de 0,8-1,0 m entre linhas e 0,10-0,20 m entre bulbos. Neste espaçamento, 2,5-3,0 t de bulbos são suficientes para o plantio de 1 (um) hectare. No método semente-semente, a semeadura ou transplante das mudas pode ser feita no espaçamento de 0,70-1,0 m entre linhas, com cerca de 10 plantas/m linear. Cerca de 1,5-2,5 kg/ha de sementes são necessários para a semeadura.

Inspeções de campo e roquing
As inspeções de campo e o roguing são importantes para se obter sementes de alta qualidade genética e varietal. No método semente-semente realizar, no mínimo, duas inspeções: durante o estádio vegetativo, removendo plantas fora do tipo; e antes do florescimento, removendo aquelas plantas florescidas prematuramente. No método semente-bulbo-semente realizar, no mínimo, quatro inspeções: antes da maturação dos bulbos, após a cura dos bulbos, no plantio dos bulbos, e finalmente no início do florescimento. Observar as características das plantas, o formato, o tamanho, a coloração e a sanidade dos bulbos, e características das flores. Na seleção dos bulbos para plantio, os de tamanho médio devem ser preferidos. Bulbos pequenos produzem menores quantidades de sementes, enquanto bulbos grandes apresentam menor conservação pós-colheita e maior brotamento durante o armazenamento. Durante o roguing, devem ser eliminadas as plantas atípicas (fora do padrão da cultivar) e as plantas com sintomas de doenças, principalmente aquelas que podem ser transmitidas pelas sementes. 

Colheita das sementes
A determinação do melhor período de colheita das sementes irá influenciar tanto a produtividade como a qualidade das mesmas. O ponto de maturidade fisiológica das sementes deve ser determinado para cada cultivar, em cada região, por meio de estudos envolvendo o número de dias após a antese (abertura das flores). Teor de água nas sementes ao redor de 40% é bom indicador para iniciar a colheita. Em termos práticos, geralmente inicia-se a colheita quando cerca de 10% das inflorescências (umbelas) apresentam sementes expostas, isto é, quando as cápsulas começam a abrir. As umbelas de cebola não amadurecem simultaneamente, necessitando de mais de uma colheita. O retardamento na colheita pode, dependendo das condições climáticas, propiciar a queda das sementes no solo, reduzindo a produtividade. A colheita pode ser manual ou mecânica. Na colheita manual, as umbelas são colhidas, com auxílio de uma tesoura de poda, cortando-se cerca de 20-30 cm da haste floral e colocando-se em sacos para serem transportados aos galpões para posterior secagem.

Secagem e trilha das sementes
As umbelas são secas sobre lonas ao sol por alguns dias, tomando-se o cuidado de revolvê-las periodicamente. A secagem das umbelas permite melhoria na maturação das sementes, além de facilitar a trilhagem. As umbelas estão aptas para serem trilhadas quando estas apresentarem-se quebradiças.
Se colhidas manualmente, as umbelas são trilhadas em máquinas estacionárias, tendo-se o cuidado na regulagem da mesma (principalmente na velocidade que deve estar entre 450 e 550 rpm), evitando assim a ocorrência de danos mecânicos nas sementes. Após a trilhagem, é recomendável uma nova secagem do material antes do beneficiamento.
A secagem das  sementes poderá ser realizada naturalmente, ao sol, em local ventilado,  espalhando as sementes sobre telas ou tecidos finos, sobre estrados. Pode ser utilizado também estufas de circulação forçada de ar, à temperatura de 32ºC no início da secagem e a 42ºC no final da secagem, até que as sementes atinjam a umidade de 6%, que é a umidade adequada apara o acondicionamento em embalagens impermeáveis.

Beneficiamento das sementes
As sementes, após a trilhagem, devem ser passadas por máquinas de ar e peneiras e em seguida pela mesa de gravidade. Pode-se ainda utilizar um soprador pneumático, para eliminar impurezas, como restos de umbelas, e sementes chochas (imaturas ou mal formadas). A utilização de água para separação, embora utilizada, não é recomendada uma vez que pode prejudicar a qualidade das sementes. Neste processo, coloca-se as sementes em baldes com água por dois a três minutos (em um maior período, as sementes podem iniciar o processo de embebição), separando assim os materiais mais leves (os quais bóiam) das sementes (descem para o fundo). Quando se utiliza este método, as sementes devem ser secas imediatamente.

Tratamento das sementes
Diferentes tratamentos podem ser empregados, objetivando melhorar a germinação das sementes e a emergência das plântulas em campo. O tratamento das sementes visa reduzir uma possível infecção e/ou infestação de fungos nas sementes, além de maior controle de microrganismos na fase inicial de estabelecimento da cultura. Geralmente, as sementes têm sido tratadas com produtos de amplo espectro de ação, a base de captan ou thiram. A aplicação de película (film coating) nas sementes pode ser realizada para se obter uma melhor uniformidade e eficiência no tratamento fungicida das sementes, permitindo ainda uma melhor visualização das mesmas no solo.
Uma vez que as sementes de cebola são pequenas e apresentam forma irregular, a peletização das sementes é outra técnica que pode ser empregada para melhorar a distribuição das sementes durante a semeadura.

Embalagem e armazenamento das sementes
As sementes devem ser acondicionadas em embalagens à prova de umidade, como pouches (sacos aluminizados) ou em latas. O grau de umidade das sementes deve situar em torno de 6%. A semente de cebola apresenta longevidade curta, relacionada principalmente com a oxidação de lipídeos das membranas celulares, necessitando de condições de armazenamento bastante adequadas para manter a qualidade fisiológica. De comportamento ortodoxo, a semente de cebola necessita de baixa umidade relativa e baixa temperatura para sua conservação.

Rendimento de sementes
O rendimento de sementes é bastante variável, pois irá depender da cultivar, época e local de produção, condições edafoclimáticas, espaçamento de plantio, dentre outros. Rendimentos variando de 150-450 kg/ha de sementes têm sido os mais comumentes obtidos em nossas condições, com potencial para mais de 1.000 kg/ha em cultivares de polinização aberta, conforme se observa em outros países. Os rendimentos em sementes híbridas são baixos, geralmente entre 50 e 100 kg/ha.

Avaliação da qualidade das sementes
Cada lote de sementes deve ser amostrado e submetido aos testes de germinação e pureza, exigidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A Portaria Ministerial, no. 457, de 18 de dezembro de 1986, estabelece os padrões para distribuição, transporte e comercialização de sementes fiscalizadas de cebola. O teste de emergência das plântulas em campo, velocidade de germinação ou o teste de envelhecimento acelerado podem determinar o vigor das sementes.
A análise sanitária avalia a incidência de microrganismos associados às sementes. O teste de papel de filtro é muito utilizado para a detecção de vários fungos associados às sementes.