segunda-feira, 13 de julho de 2020

PANCS: Capiçoba (Erechtites valerianifolius)


Capiçoba (Erechtites valerianifolius)

Folhosa herbácea, ereta, anual, ramificada, apresenta hastes grossas, que atingem até 1,0 m de altura. O uso potencial como hortaliça é ainda muito pouco explorado.

Nomes comuns – Capiçoba, gondó, maria gondó, maria-gomes e capiçova.

Família botânica – Asteraceae, a mesma da alface. 

Origem – Brasil.

Variedades – Comum, não havendo variedades sistematizadas.

Clima e solo – Desenvolve-se em diferentes regiões de clima tropical. O solo deve ser leve, fértil e com bom teor de matéria orgânica.

Preparo do solo – Após aração e gradagem, efetua-se o encanteiramento. Entretanto, como é geralmente cultivada em áreas pequenas, as operações são, habitualmente, feitas de forma manual com auxílio de enxadas. Os canteiros devem ser semelhantes aos utilizados para alface, com 1,0 a 1,2 m de largura por 0,1 a 0,2 m de altura. Em hortas caseiras, é muito comum o simples manejo de plantas espontâneas originadas a partir de sementes que caem ao solo. Para tal, é interessante selecionar plantas matrizes, as mais vigorosas, até a fase reprodutiva quando ocorre a produção de sementes.

Adubação e calagem – Para maior produção, é importante efetuar a correção da acidez do solo e aplicar a quantidade e o tipo de calcário com base na análise de solo, buscando pH entre 5,8 e 6,3. Pela sua enorme rusticidade, recomenda-se somente a correção do solo e a utilização de composto orgânico, na dosagem de até 3,0 kg/m2 de canteiro, conforme os teores de matéria orgânica no solo. Para adubação de cobertura, após cada corte realizado, deve-se aplicar até 1,0 kg/m2 de composto orgânico.

Plantio – O plantio pode ser feito diretamente no canteiro definitivo ou em sementeiras para posterior transplantio de mudas produzidas em bandejas. O espaçamento recomendado é o de 30 x 30 cm. O cultivo da capiçoba pode ser feito durante o ano todo em regiões de clima ameno; em regiões muito quentes porém, com temperatura média superior a 25ºC, recomenda-se o plantio de março a agosto.

Tratos culturais – A cultura deve ser mantida no limpo, sob baixa competição por plantas infestantes, por meio de capinas, e irrigada periodicamente. Pode sofrer desfolhamento parcial devido a incidência de besouros e gafanhotos, mas tende a se recuperar posteriormente.

Colheita e pós-colheita – Inicia-se a colheita 60 a 80 dias após o plantio, quando então os ramos são cortados com 40 cm de comprimento, limpos e preparados em maços. O manuseio deve ser feito à sombra. Pode-se fazer 2, até 3 cortes por planta, pois, a partir deste valor há uma tendência a redução do vigor e do tamanho dos ramos. Produz cerca de quatro maços por metro quadrado com cerca de 300 g cada, rendendo o equivalente a 8 ton/ha por corte, lembrando que é geralmente cultivada em pequenos espaços.

As folhas são consumidas cruas em saladas, ou refogadas e cozidas em sopas, omeletes, mexidos, recheios e preparos de outros pratos. É importante ressaltar que esta hortaliça apresenta um sabor levemente amargo, devendo ser consumida com outros alimentos, como acompanhada de arroz e feijão.

Figuras 24 e 25: Capiçoba, fases vegetativa e de florescimento





Nenhum comentário:

Postar um comentário