domingo, 2 de fevereiro de 2020

Clima e Solos para a Cultura do Cará


O cará é um alimento feculento, muito consumido pelos habitantes de países tropicais. Na culinária pode ser utilizado como substituto da batata inglesa, batata doce e da macaxeira, com a vantagem de não se deteriorar logo após a colheita, pois depois de colhido se conserva a sombra, em estado natural, por até três meses, com pequenas perdas. E um alimento de fácil digestibilidade, indicado para dietas, de qualidades nutritivas, rico em carboidratos evitaminas do complexo B (PEANE, 1969; Albuquerque & Pinheiro, 1970).
O cultivo do cará merece especial atenção, devido a sua rusticidade e ao seu valor alimentício principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, as quais são carentes de alimentos energéticos. É uma opção para aumentar a receita dos habitantes de baixo poder aquisitivo, em especial, os da zona rural.

CLIMA
Em se tratando de uma planta de clima tropical, o cará se desenvolve bem em regiaes de clima quente e úmido, com latitude na faixa de 30 graus Norte e Sul da linha do equador (Silva, 1971b). As melhores condições climáticas para a cultura do cará são as que apresentam temperaturas médias anuais em tomo de 30°C, precipitação pluvial anual em tomo de 1.500 mm, com estação seca bem definida de dois a cinco meses (Monteiro & Peressin, 1993).

SOLOS
A parte comestível do cará são os tubérculos que se formam e crescem abaixo da superticie do solo. Durante o periodo de crescimento a cultura do cará requer bastante umidade no solo. Portanto, recomenda-se seu plantio em solos leves, de textura não muito arenosa, profundos, com boa drenagem, ricos em matéria orgânica e boa capacidade de retenção de umidade.
A unidade dos tabuleiros costeiros dos estados do Piaui e Maranhão soma uma área de 14.200 km2 (Embrapa, 1993) De um modo geral, os solos dessa área são de textura arenosa, profundos e de baixa fertilidade natural. Esses solos, quando corrigidos, podem ser explorados com a cultura do cará.
Devem-se evitar os solos de textura argilosa porque os tubérculos em solos pesados ficam deformados eas operações de colheitas, no período seco se tomam mais dificeis e dispendiosas. Além disso, há a inconveniência de ferimentos dos tubérculos, dificultando a conservação e a comercialização. Devem-se também evitar os solos declivosos, sujeitos a erosão.

PREPARO DO SOLO
O preparo do solo destinado a cultura do cará não difere daquele de outras culturas. Quando se trata de plantio comercial, e necessário um perfeito preparo do solo para proporcionar condiç6es favoráveis ao perfeito crescimento dos tubérculos. Consiste em arar o terreno auma profundidade em tomo de 30 cm para tomar o solo mais permeável e enterrar as espécies nativas ou restos de culturas e em seguida realizar a gradagem.

SISTEMA DE PLANTIO
Para facilitar o arejamento e drenagem do solo e evitar apodrecimento dos tubérculos, o cará deve ser plantado em covas altas ou matumbos, ou em camalhões.
No sistema de covas altas ou matumbos, com o auxilio de uma enxada ou cavadeira articulada abrem-se covas de 0,35 m x 0,35 m de largura por 0,30 m de profundidade. Em seguida, realiza-se a adubação química ou a orgânica, misturando o adubo à terra retirada da cova.
Posteriormente, retoma-se a terra a cova, formando a cova alta ou matumbo.
O sistemade camalhões ou leirões wde ser ~rocessadom anualmente ou mecanizado. No processo manual, dois operários com auxílio de enxadas, movimentando o solo de lados ouostos. levantam os camalhões ou leirões, com 30 a 35 cm de altura. No processo mecanizado, um trator de pneu awplado a um sulcador, ou arado de aiveca ou de disco levanta os camalhões ou leirões, com 30 a 35 cm de altura sem maiores dificuldades. Quando acoplado a arado de disco ou de aiveca é preciso um movimento de ida e volta do trator tombando o solo em sentido contrário.


Nenhum comentário:

Postar um comentário