segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Colheita e pós-colheita da Melancia



Colheita

A melancia atinge o ponto de colheita entre 28 a 45 dias após a fecundação das flores femininas ou hermafroditas, dependendo da cultivar e das condições climáticas. No Nordeste brasileiro, esse período corresponde a 65-75 dias após o plantio. Porém, reconhecendo-se a influência de diversos fatores sobre o ciclo da cultura, recomenda-se a adoção de outros indicadores de ponto de colheita. Os mais utilizados são:

a) Secamento da gavinha localizada no mesmo nó do fruto ou do pedúnculo do próprio fruto.

b) Mudança da cor da casca do fruto na região que se mantém em contato com o solo, que passa de branca para amarela com o amadurecimento.

c) A ressonância do fruto ao impacto deve ser grave e oca: som agudo e metálico indica que o fruto está imaturo.

d) Teor de sólidos solúveis mínimo de 9 ºBrix, conforme recomendação da União Europeia, devendo-se, entretanto, preferir valores a partir de 10 ºBrix, que são mais bem aceitos pelo mercado interno.

Os sólidos solúveis constituem importante critério para avaliação da qualidade dos frutos. Representa uma medida da concentração de açúcares e outros sólidos diluídos na polpa ou suco do fruto. Os açúcares correspondem à maioria dos sólidos solúveis existentes na polpa. Em melancia, o seu conteúdo varia de acordo com as regiões internas do fruto, ou seja, normalmente a polpa é mais doce no centro que na região próxima ao mesocarpo.

Outros indicadores importantes são: firmeza da polpa, acidez titulável e aparência externa e interna. Porém, os dois primeiros requerem instrumentos específicos, além de procedimentos que não são tão facilmente adotados pela maioria dos produtores. No que se refere à aparência dos frutos, a União Europeia definiu que as melancias devem apresentar as seguintes características mínimas de qualidade:

a) Inteiras.

b) Sãs, ou seja, isentas de podridões ou alterações que as tornem impróprias para consumo.

c) Limpas, praticamente isentas de matérias estranhas visíveis.

d) Praticamente isentas de parasitas.

e) Praticamente isentas de ataques de parasitas.

f) Firmes e suficientemente maduras, de forma que a cor e o sabor da polpa devem corresponder a um estado de maturação suficiente.

g) Não rachadas.

h) Isentas de umidade externa anormal.

i) Isentas de odores e/ou sabores estranhos.

Para uma boa determinação da data de colheita da melancia, deve-se efetuar uma amostragem de frutos. Nesta amostragem, deve-se cortá-los e examinar a cor da polpa e o teor de sólidos solúveis.

A colheita é manual e deve ser realizada nas primeiras horas do dia. O pedúnculo deve ser cortado com auxílio de uma lâmina afiada — faca ou canivete — cerca de 5 cm do fruto (Figura 1). Durante a colheita, devem ser tomados cuidados para que os frutos não sofram pancadas, pois isso facilita a entrada de micro-organismos, comprometendo a conservação pós-colheita.

Foto: Rita de Cássia S. Dias.
Figura 1. Colheita da melancia cv. Crimson Sweet com corte do pedúnculo cerca de 5 cm
do fruto, utilizando-se canivete.

Deve-se ter o cuidado para a correta identificação do ponto de colheita da melancia, pois, se for colhida antes de completar o amadurecimento na planta, não haverá o desenvolvimento do sabor característico do fruto maduro.

Cuidados e procedimentos após a colheita

Após a separação da planta, os frutos devem ser colocados ao longo da linha de plantio, para facilitar a retirada dos mesmos da área de cultivo. Os frutos devem ser levados do campo até o galpão de embalagem — packinghouse — em recipientes adequados e em meio de transporte compatível com cada perfil de produtor, podendo ser trator com carreta agrícola, carrinho de mão convencional ou com a caçamba adaptada para transportar uma maior quantidade de frutos, bem como com contentores plásticos.

Produtores que necessitam esperar o caminhão para levar os frutos para a comercialização (Figura 2), devem acondicioná-los sobre palhas, formando pequenas pilhas no campo, que devem ser conduzidas para comercialização no mesmo dia da colheita. É importante que as melancias sejam acondicionadas, o mais rápido possível, em local com sombra, seco e ventilado.

Foto: Rita de Cássia S. Dias.
Figura 2. Carregamento de frutos de melancia, cv. Crimson Sweet, com transporte a
granel, para comercialização no mercado interno.

Durante a colheita e o transporte, os frutos devem ser manuseados com cuidado a fim de evitar qualquer tipo de ferimento, que pode comprometer a aparência, a firmeza, o sabor e a vida útil da melancia. Os danos físicos depreciam severamente a qualidade dos frutos causando podridões.

O risco de perdas pós-colheita é alto e estas podem ser provocadas por danos físicos, utilização de embalagem inadequada, transporte e comercialização a granel (Figura 3), as más condições das estradas, a não utilização da refrigeração, toque excessivo por partes dos consumidores e exposição inadequada do produto.

Foto: Rita de Cássia S. Dias.
Figura 3. Aspecto geral do empilhamento
de melancia cv. Crimson Sweet em
condições ambiente em mercado
atacadista de Juazeiro, BA.


Conservação pós-colheita

O uso de tecnologias adequadas na pós-colheita durante o manuseio, processamento, armazenamento e transporte é tão fundamental quanto o manejo cultural. O incremento da vida útil deve ser necessariamente, acompanhado de redução nas perdas e da preservação da qualidade inicial do produto. Os cuidados na pós-colheita devem ser tais que permitam preservar a qualidade dos frutos por maior tempo.

Sabendo-se que a qualidade do fruto pode ser influenciada por fatores genéticos, fatores climáticos, concentração de nutrientes no solo, adubação, ataque de pragas e doenças, população de plantas daninhas, quantidade de frutos por planta e posição do fruto na planta, deve-se atentar para oferecer as condições que permitam a colheita de frutos de boa qualidade e o acondicionamento adequado que permita preservar essa qualidade pelo maior tempo possível. Com esta finalidade, as diferentes operações pós-colheita, como seleção dos frutos, classificação e armazenamento, devem seguir as recomendações específicas para a melancia.

Seleção dos frutos

Na seleção dos frutos deve ser considerado formato típico da cultivar, uniformidade de coloração da casca, tamanho e ocorrência de defeitos — cicatrizes, contusões, ranhuras, entre outros —, que não comprometam a aparência dos frutos.

Classificação de frutos

Há uma grande variação de tamanho e formatos de frutos e não existe uma classificação oficial que atenda às diferentes cultivares e mercados. Normalmente, os frutos são classificados, com base na sua massa média em grandes (maior que 9 kg) , médios (de 6 kg a 9 kg) e pequenos (abaixo de 6 kg). No mercado brasileiro, observa-se uma valorização de frutos com massa acima de 6 kg. Frutos do padrão da cv. Crimson Sweet com massa inferior são comercializados por centenas, a preço inferior. No entanto, por causa da redução do tamanho das famílias, há uma demanda por frutos menores. E contribui, também, com uma expressiva comercialização de frutos grandes fatiados nos supermercados.

Acondicionamento

As melancias devem ser acondicionadas de modo a ficarem convenientemente protegidas. Em geral, podem ser apresentadas em embalagens, incluindo as caixas com capacidade de suportar o peso dos frutos, no entanto normalmente, é feito a granel — empilhamento dos frutos na carroceria do transporte.

Os materiais utilizados no interior das embalagens devem ser novos e estar limpos e não devem provocar quaisquer alterações internas ou externas no produto. É autorizada a utilização de materiais que contenham indicações comerciais, desde que a impressão ou rotulagem seja feita com tintas ou colas não tóxicas. Os rótulos colocados individualmente nos produtos não devem, quando retirados, deixar marcas visíveis de cola, nem defeitos na casca. As embalagens ou lotes, no caso da comercialização a granel, devem estar isentas de corpos estranhos. As melancias expedidas a granel devem ser isoladas do piso e das paredes dos dispositivos de transporte através de um meio de proteção adequado, novo e limpo e que não transmita gosto ou cheiro anormal ao fruto.

Armazenamento

Em local à sombra, seco e ventilado, os frutos podem ser armazenados por um período de 2 a 3 semanas, dependendo do ponto de maturação, dos cuidados tomados na colheita, da temperatura e da umidade. As melancias são muito sensíveis a danos pelo frio, que se manifestam como manchas castanhas na casca, pitting, odor desagradável, perda de cor vermelha da polpa e incidência de doenças. A temperatura mínima de segurança é de cerca de 5 ºC, mas durante curtos períodos de tempo. Para o armazenamento prolongado, a melancia deve ser armazenada à temperatura mínima de 10 ºC. A umidade relativa recomendada é de 90%.

Mesmo sob condições ótimas de armazenamento, a melancia apresenta vida útil pós-colheita relativamente curta. Deve ser consumida 2 a 3 semanas após a colheita. O fruto possui uma reduzida taxa de produção de etileno, regulador de crescimento que estimula o amadurecimento dos frutos. Porém, a melancia tem alta sensibilidade ao etileno. Por isso, não pode ser armazenada em conjunto com outros frutos que produzam níveis moderados ou altos de etileno, o que lhe causaria desintegração da polpa, como consequência da aceleração da senescência ou envelhecimento.

Durante o armazenamento, as principais mudanças que levam à redução da vida útil da melancia são a perda de massa fresca, o decréscimo do teor de sólidos solúveis e da acidez titulável dos frutos, além de alterações na textura da polpa. Estas mudanças ocorrem rapidamente de forma que, em algumas cultivares de melancia, como ‘BRS Opara’, ‘Crimson Sweet’, ‘Pérola’ e ‘TopGun’, armazenadas a temperatura ambiente — aproximadamente 27 ºC e 55% UR —, a vida útil pós-colheita se limita a 16 dias.


Nenhum comentário:

Postar um comentário